Peixes na floresta

Conto russo, autor desconhecido

Era uma vez um lavrador que vivia com a mulher em seu sítio. A mulher era muito fofoqueira e não conseguia guardar nenhum segredo. Todos os dias ela ia à cidade para entregar ovos e era assim, entregando ovos, que ela contava para todo mundo o que estava acontecendo.

Um dia o lavrador, enquanto cavoucava na plantação de nabos, bateu com a pá em um objeto muito duro, quando foi ver, era um baú de ferro cheio de ouro.

O homem ficou muito feliz, mas se lembrou da mulher que tinha e percebeu que se contasse para ela todo mundo ficaria sabendo, inclusive o Rei que era muito ambicioso e daria um jeito de confiscar o tesouro.

Ele pensou, pensou e decidiu não contar a ela, levou o tesouro para perto da casa e escondeu ali, de madrugada ele enterraria o tesouro no porão da casa.

Naquela noite, assim que a mulher dormiu profundamente ele arrastou o tesouro até o porão e começou a cavoucar. Quando estava quase terminando, bateu com a pá em uma pedra e fez um barulhão. Pouco depois a mulher desceu ao porão e viu todo aquele ouro.

– Marido, onde encontrou este tesouro? – falou a mulher.

– Achei na plantação de nabos, mas não conte para ninguém, está me entendendo?

– Oh, marido, claro que não, prometo que não vou contar a ninguém!

Depois de enterrar o tesouro eles foram se deitar, mas o marido não conseguia dormir, ele conhecia muito bem a sua mulher, sabia que ela não aguentaria e no dia seguinte todos ficariam sabendo.

Então, teve uma grande ideia. Acordou muito cedo e foi para a cidade, lá ele comprou peixes, linguiças e bolinhos com passas.

Antes de voltar para casa, foi à floresta ali perto, espalhou os peixes no capim molhado, pendurou os bolinhos nos galhos das árvores, prendeu as linguiças na vara de pescar e as jogou no rio.

Pagamento único

Chegando em casa viu que a mulher tinha acabado de acordar e foi falar com ela:

– Mulher! Está um dia perfeito para pescar na floresta!

– Pescar? Logo cedo? Agora não, tenho que ir à cidade!

– Não mulher, tenho que te contar, essa noite choveu bolinhos na floresta e além disso tem peixes nadando no capim, você tem que ver isso!

A mulher arregalou os olhos e falou:

– O que???? Como é possível?

– Isso mesmo mulher, venha ver! – falou o marido.

Ela levantou correndo, se vestiu e os dois foram para a floresta.

Assim que chegaram no local preparado pelo marido, ela gritou:

– Veja só! É verdade! Olhe só os peixes pelo capim.

Ela pegou os peixes e jogou na cesta. Depois ela viu os bolinhos pendurados e gritou:

– Marido, choveu bolinhos mesmo!!!

Ela pegou todos e os guardou na cesta também. O marido então falou:

– Agora vamos pescar!

Eles chegaram ao rio, e assim que o marido pegou a vara, puxou uma grande fileira de linguiças.

A mulher levou um susto, nunca tinha imaginado uma coisa dessas na sua vida.

Depois de tudo, os dois voltaram para casa e continuaram as suas vidas.

Algum tempo depois, todos no reino sabiam que o homem havia encontrado um tesouro no campo de nabos e os dois foram chamados para falar como o Rei.

– É verdade que vocês encontraram um tesouro enorme? – perguntou o Rei.

– Não, não é verdade – disse o homem.

– Mas ouviram sua mulher contar que você havia achado um baú de ouro no campo de nabos!

– Majestade, minha mulher está louca!

– Louca coisa nenhuma – gritou a mulher – ele achou sim um tesouro no campo de nabos, eu vi!

O Rei arregalou os olhos e perguntou:

– Quando você viu?

– Vi na noite anterior ao dia que choveu bolinhos na floresta, o dia que os peixes estavam nadando na grama. Ah! Majestade, naquele dia também, meu marido pescou uma fileira de linguiças.

Desde aquele dia, ninguém nunca mais acreditou em nada do que ela falava, mas pelo menos o tesouro estava a salvo.

***

Clique aqui para ver A História do esquilo Nutkin

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui