Fábula de Esopo

Certa vez um Lobo, depois de se saciar com o animal que havia caçado, começou a engasgar com um osso que ficou preso em sua garganta.

O Lobo tossiu, bebeu água, mas nada fazia o osso sair do lugar.

Desesperado com a situação, o Lobo começou a pedir ajuda aos animais da floresta, porém ninguém queria ajudar o pobre.

A muito custo, ele convenceu a Garça a ajudá-lo com a condição não atacar mais os seus familiares.

Feito o acordo, a Garça colocou o bico na goela do Lobo e retirou o osso.

Terminado o serviço a garça falou:

– Lembre-se, Lobo, de agora em diante você não poderá mais atacar nenhum membro da minha família.

– Não está satisfeita por ter tirado a cabeça viva da boca de um lobo? E ainda pede pagamento?

Conselho de vó: o máximo que se pode esperar dos maus é que, além da ingratidão, não se some a injustiça.

***

Clique aqui para ler a história Midas

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui

Fábula de Esopo

Cerva vez, um asno estava atravessando um rio com a água batendo na barriga, carregando no lombo dois grandes sacos de sal. De repente ele perdeu o equilíbrio e afundou. Ele ficou desesperado achando que ia morrer, pois não conseguiria se levantar.

Porém, o sal derreteu rapidamente, ele ficou leve, conseguiu se levantar e ainda terminou a viagem sem carregar nenhum peso.

Um tempo depois, foi atravessar o mesmo rio, mas desta vez carregava uma carga de algodão. Ele se lembrou do que havia acontecido anteriormente e, mesmo com uma carga tão leve, no desejo de se livrar dela se jogou na água.

Porém, o algodão absorveu a água e ficou tão pesado que o asno não pode se levantar e morreu afogado.

Conselho de vó: Às vezes, tentando melhorar o que já está bom, perdemos tudo.

***

Clique aqui para ler a história Omusubi rolante

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui

Fábula de Esopo

Certa vez um Corvo roubou um queijo e foi sentar-se no alto de uma árvore para comê-lo.

A Raposa, vendo aquele queijo começou a salivar de vontade. Ela sabia que se pedisse, o Corvo não dividiria com ela, então falou para ele:

– Bom dia, meu amigo Corvo, fico feliz em te ver assim tão bem. Me disseram que o canto do rouxinol é o mais belo de todos, porém, tenho minhas dúvidas, acredito que o seu canto é ainda mais belo.

O Corvo ficou todo cheio ao ouvir aquele elogio.

A Raposa continuou falando:

– Cante, meu amigo, tenho certeza que vai desbancar todos os rouxinóis.

Assim que o corvo soltou o primeiro som, o queijo caiu do seu bico, bem nas mãos da Raposa, que saiu feliz da vida, rindo do acontecido.

Conselho de vó: desconfie sempre de quem fica te adulando para não ser enganado.

***

Clique aqui para ler a história Corcunda, manca e de pescoço torto

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui

Fábula de Esopo

Certa vez, o Vento e o Sol começaram a discutir sobre qual dos dois era mais forte. O Vento dizia:

– Sou capaz de destruir cidades, consigo fazer um navio virar, derrubo árvores centenárias quando quero.

Enquanto o Vento falava o Sol viu um viajante caminhando pela estrada e falou:

– Sei como descobrir qual de nós é o mais forte. Vê aquele viajante? Quem arrancar o casaco dele ganha.

– Eu vou ganhar fácil – falou o Vento.

Você pode apoiar este site comprando nesta loja Parceiro Magalu

O Sol se retirou atrás de uma nuvem e observou.

O vento começou a soprar com toda força. Quanto mais soprava, mais o homem ajustava o casaco ao corpo.

Desconsolado, o vento se retirou.

O sol saiu de seu esconderijo e brilhou com todo seu esplendor sobre o homem, que logo sentiu calor e despiu o casaco.

Conselho de vó: mais forte é quem tem estratégia em seu objetivo.

***

Clique aqui para ler a história A língua dos animais

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui

Fábula de Esopo

Era uma vez um Burro que estava pastando quando percebeu que havia um Lobo o observando de longe. Ele ficou aterrorizado, mas sabia que se corresse seria pego, porque o Lobo é muito rápido.

O Burro começou a pensar num plano para salvar a sua pele. Quando viu que o Lobo se aproximava, ele começou a mancar e chorar:

–  Ai, ai, ai! Por favor, Lobo, tire o espinho de minha pata! Se você não tirar, ele vai espetar sua garganta quando você me engolir.

O Lobo se surpreendeu com a situação e pensou no perigo de ficar engasgado com um espinho, então resolveu procurar o tal do espinho com cuidado.

Nesse momento, enquanto o Lobo olhava a pata do Burro, o Burro deu o maior coice de sua vida e acabou com a alegria do Lobo, que caiu desnorteado.

Enquanto o Lobo se levantava todo dolorido, o Burro corria satisfeito para longe dali.

Conselho de vó: Precisamos de muita astúcia para enfrentar as dificuldades da vida.

***

Clique aqui para ler a história A Zebra e o Javali

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui