Fábula de Esopo

Era uma vez um Burro que estava pastando quando percebeu que havia um Lobo o observando de longe. Ele ficou aterrorizado, mas sabia que se corresse seria pego, porque o Lobo é muito rápido.

O Burro começou a pensar num plano para salvar a sua pele. Quando viu que o Lobo se aproximava, ele começou a mancar e chorar:

–  Ai, ai, ai! Por favor, Lobo, tire o espinho de minha pata! Se você não tirar, ele vai espetar sua garganta quando você me engolir.

O Lobo se surpreendeu com a situação e pensou no perigo de ficar engasgado com um espinho, então resolveu procurar o tal do espinho com cuidado.

Nesse momento, enquanto o Lobo olhava a pata do Burro, o Burro deu o maior coice de sua vida e acabou com a alegria do Lobo, que caiu desnorteado.

Enquanto o Lobo se levantava todo dolorido, o Burro corria satisfeito para longe dali.

Conselho de vó: Precisamos de muita astúcia para enfrentar as dificuldades da vida.

***

Clique aqui para ler a história A Zebra e o Javali

Fábula de Esopo

Era uma vez um ratinho da cidade que foi convidado para ir à casa de seu primo que vivia no campo.

Vendo que seu parente vivia pobremente de raízes e ervas, o rato da cidade convidou-o a ir morar com ele:

— Tenho muita pena da pobreza em que você vive –  disse o rato da cidade –  venha morar comigo e você verá como lá a vida é mais fácil.

Lá se foram os dois para a cidade, onde se acomodaram numa casa rica e bonita.

Foram logo à despensa e estavam muito bem, se empanturrando de comidas gostosas, quando, de repente, apareceram dois gatos.

Os dois ratos correram espavoridos para se esconder e precisaram ficar muito tempo escondidos até que os gatos desistissem da caçada.

— Eu vou embora para o meu campo, prefiro minhas raízes e ervas na calma, às suas comidas gostosas com todo esse susto.

Conselho de vó: Mais vale magro no mato, que gordo na boca do gato.

***

Clique aqui para ver a história O Milagre de Natal

Fábula de Esopo

Era uma vez um leão que se apaixonou pela filha de um lenhador. Para cumprir as formalidades, ele foi pedir a mão da moça em casamento ao seu pai.

O lenhador não queria dar a mão da filha em casamento ao leão, pois tinha medo de suas garras e presas. Mas também ficou com medo de falar não, então ele bolou um plano e falou para o leão:

– É uma honra dar a mão da minha filha a você, porém você tem dentes e garras afiadas, qualquer moça ficaria assustada. Para se casar com minha filha vai ter que arrancar suas garras e suas presas.

O leão, apaixonado que estava, fez o que o lenhador falou, arrancou suas garras e suas presas e voltou a falar com pai da moça para novamente fazer o pedido.

Mas o lenhador, que agora já não tinha medo do leão, o enxotou dali com seu machado.

Conselho de vó: Nunca deixe de ser você mesmo para ter o amor de alguém.

***

Veja aqui a história da Rã Sábia

Veja aqui mais informações do livro “Joãozinho e a Maçã”