Adaptação de MFátima Lima

Era uma vez um rei que teve um sonho muito perturbador, mas ele não sabia o que poderia significar. Sonhou que todos os seus dentes estavam caindo um a um até não sobrar nenhum. A sensação foi muito ruim e ao acordar ficou muito aliviado. Mas o sonho não lhe saia da cabeça e ele queria uma explicação.

Mandou chamar os homens mais sábios de seu reino, mas ninguém soube lhe informar o significado. Passado um tempo apareceu um homem todo confiante e dizendo que sabia o que significava o sonho do rei. Foi imediatamente levado ao palácio e lá falou para o rei:

– Majestade, o seu sonho é muito simples para decifrar, significa que todas as pessoas da sua família vão morrer.

O rei ficou furioso com essa interpretação e mandou açoitar e prender o homem.

A notícia correu pelo reino e ninguém mais se atrevia a tentar adivinhar o significado do sonho do rei. Mas apareceu um homem já bem velhinho que se propôs a decifrar o sonho. Foi também levado à presença do rei e falou:

– Majestade, o seu sonho significa que sua vida será muito longa, mais longa que a de todos os seus parentes, nenhum deles viverá tanto quanto o senhor.

O rei ficou muito feliz com a interpretação e mandou recompensar o homem com tesouros e terras pra ele viver com tranquilidade junto de sua família.

Conselho de vó: Quem sabe usar as palavras pode ser recompensado falando a mesma coisa que alguém que se deu mal por não saber se expressar.

***

Veja aqui a história O ratinho, o gato e o galo

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui

Autor desconhecido

Era uma vez um Leão que estava muito incomodado com um Mosquito que zunia em sua cabeça, ele rugia, mas o mosquito não dava a mínima:

– Você acha que eu vou ficar com medo de você, só porque é o rei da floresta? – falou o Mosquito.

Em seguida ele deu uma picada bem ardida no focinho do Leão.

Imediatamente o Leão ficou transtornado, deu uma patada bem forte para tentar acertar o mosquito, mas só conseguiu acertar a si mesmo, provocando um arranhado em seu focinho.

O mosquito achou aquilo engraçado e continuou picando o Leão que, a cada vez, tentava apanhar o Mosquito, mas em todas as tentativas se arranhava um pouco mais.

Por fim, todo machucado, tanto pelas picadas quanto pelos próprios arranhões, o Leão se rendeu.

O Mosquito, todo convencido,  foi embora gargalhando para contar a todos que tinha derrotado o Leão.

Distraído com sua arrogante alegria acabou entrando direto na teia de uma aranha pequenina e ali encontrou o seu fim.

Conselho de vó: o menor dos nossos inimigos pode fazer um grande estrago em nossa vida, da mesma forma, o menor dos pensamentos ruins pode nos destruir.

***

Veja aqui o 1° capítulo do livro Joãozinho e a Maçã

Autor desconhecido

Numa distante cidade do Oriente, num local próximo a um oásis, vivia um homem bom e justo, chamado Ali Babá. Ele era muito pobre, morava em uma tenda com sua mulher Samira e seus quatro filhos.

Para sustentar sua família, ele oferecia seus serviços aos mercadores que passavam por ali, cuidava dos camelos e em troca recebia algumas moedas. Os mercadores gostavam muito dos seus serviços e às vezes lhe davam algumas moedas como gratificação.

Qualquer dinheiro era muito bem-vindo porque sua família precisava, muitas vezes passavam meses sem que qualquer caravana passasse e, para que não passassem fome, ele ia até o oásis colher tâmaras que eram depois vendidas pelos seus filhos no bazar da cidade.

Um dia, quando colhia tâmaras no oásis, ouviu um grande ruído de cavalos apressados. Ele achou muito estranho porque não era comum ver cavalos naquela região. Ficou escondido, olhando de longe e viu que eram quarenta homens em cavalos muito fortes, carregados de arcas, cofres e sacos.

De longe, viu que eles pararam bem em frente a uma grande pedra que havia num local ermo do oásis. Ali Babá ficou muito curioso e resolveu chegar mais perto para descobrir quem eram aqueles homens.

Escondido ele se aproximou e subiu em uma grande tamareira e ficou ouvindo a conversa deles. Ele viu que eram todos homens mal-encarados, todos armados com facas enormes nas cinturas.

Então um deles falou:

— Vamos, vamos! Chega de folga! Temos de descarregar tudo isso que roubamos hoje e voltar logo para a cidade. Amanhã é outro dia! — disse o chefe.

Ali Babá quase caiu da tamareira ao descobrir que eram todos ladrões.

O chefe do grupo desceu do cavalo, caminhou até a grande pedra e falou:

— Abre-te, Sésamo!

De repente, a pedra começou a se abrir como se fosse uma porta, todos os homens entraram e pouco tempo depois saíram com os cavalos descarregados.

Novamente, o chefe do brando ficou em frente a pedra e falou:

— Fecha-te, Sésamo!

A pedra rolou direitinho, fechando a entrada do esconderijo. E assim, foram embora.

Ali Babá esperou assentar a poeira levantada pelos animais e saiu de cima da tamareira. Ele ficou pensando e resolveu fazer o mesmo que o chefe dos ladrões para entrar na caverna.

Ficou na mesma posição do ladrão e arriscou:

— Abre-te, Sésamo!

A grande pedra rolou, abrindo a entrada da gruta. Ali Babá entrou imediatamente e ficou maravilhado com o tesouro que viu.

Quando já estava de saída, lembrou-se de que tinha, preso na cintura, um saquinho de pano, onde trouxera uns pedaços de pão para o almoço e pensou consigo mesmo:

“E se eu levasse algumas dessas moedas de ouro em meu saquinho? Acho que os ladrões nem perceberiam. Eles têm tanto. Mas isto seria um roubo. Eu seria um ladrão, roubando ladrões.”

Depois, pensou na vida difícil da mulher e dos filhos, encheu seu saquinho com pesadas moedas de ouro e foi embora. Na saída, repetiu as palavras mágicas:

— Fecha-te, Sésamo!

Ali Babá voltou ao lugar onde estivera colhendo frutas, pegou os cestos e foi para casa. No caminho, pensava no que iria fazer com as moedas.

Naquela noite ele nem dormiu direito, resolveu que no dia seguinte falaria com seu irmão Ali Mansur que era um rico comerciante de tapetes na cidade.

No dia seguinte ele acordou bem cedo e foi à casa do irmão. Ali Mansur era um homem mesquinho e ambicioso. Quanto mais tinha, mais queria. E nunca ajudava o pobre irmão, nem seus filhos.

Ao ouvir a história da gruta que se abria, Ali Mansur pensou que o irmão estivesse brincando. Depois, como Ali Babá insistisse, começou a achar que ele estava com febre.

Só acreditou em tudo aquilo quando o irmão lhe mostrou o saquinho com as moedas de ouro. Os olhos de Ali Mansur reluziam de cobiça, avaliando o peso de cada uma.

— Ali Babá, diga-me exatamente onde é esse lugar e o que se deve dizer para abrir e fechar a pedra. Amanhã vou até lá!

— Não, Mansur, não vá. É perigoso. Os ladrões podem aparecer a qualquer momento. Nunca mais ponho meus pés naquele lugar horrível. Já estou arrependido por ter tirado essas moedas. Dinheiro que não vem do trabalho não é honesto.

— Deixe de ser bobo, Ali Babá. Se não quiser as moedas, deixe-as comigo. Sei muito bem como e onde usá-las.

Ali Babá foi para casa. Samira logo percebeu que tinha algo errado com o marido, então ele contou tudo para ela sobre o que tinha visto, sobre as moedas que pegou e sobre a conversa com o irmão.

Samira acalmou o marido que se sentia mal por ter roubado aquelas moedas:

– Meu querido, somos tão necessitados, e eram ladrões, esse dinheiro não fará falta a ninguém – falou sua esposa.

Na manhã seguinte, bem cedo, a esposa de Ali Mansur apareceu na tenda de Ali Babá perguntando do irmão. Disse que ele havia saído assim que Ali Babá tinha ido embora no dia anterior e não tinha voltado para casa.

Ali Babá sentiu na hora que algo de ruim tinha acontecido, sabia que o irmão não aguentaria a cobiça e iria à grande pedra roubar os ladrões.

Ali Babá deixou a cunhada em sua casa e foi à procura do irmão. Chegando na caverna falou:

– Abre-te Sésamo!

A pedra se abriu e o que ele viu o deixou muito entristecido. Seu irmão havia sido assassinado. Provavelmente foi pego pelos ladrões roubando seus tesouros e morreu por isso.

Ali Babá o amarrou na sua mula que também estava lá dentro, retirou o irmão da caverna e o levou embora. No caminho percebeu que os cestos que estavam na mula estavam cheios de tesouros, mas não quis voltar.

Ele voltou para casa e contou tudo à cunhada, enterraram o irmão e dividiram os tesouros, um cesto para cada.

No dia seguinte os ladrões voltaram à caverna e perceberam que mais alguém sabia do segredo deles, viram que o homem e a mula haviam sumido e decidiram que pegariam quem fez isso.

– Vamos ficar atentos, assim que soubermos de qualquer pessoa que ficou rica de repente, saberemos que é o ladrão que nos roubou. Fiquem de olho! Eu quero vingança!

Um mês depois, Ali Babá comprou uma casa na cidade, dois belos cavalos, pôs os filhos na escola e adquiriu móveis, roupas e utensílios novos. Em sua casa não faltava mais comida e, uma vez por semana, distribuía pão e leite para os pobres.

Um dos ladrões, encarregado de fiscalizar a vida dos moradores daquele lado da cidade, percebeu a generosidade de Ali Babá e perguntou a um vizinho:

— De onde veio esse homem tão bom?

— Ah, chama-se Ali Babá. Era um pobre coitado que cuidava dos camelos das caravanas e vendia frutas no bazar. De repente, apareceu com moedas de ouro, colares de esmeraldas e pulseiras de rubi. Ele vendeu as joias e comprou a casa, os cavalos, as roupas, tudo! Ninguém sabe onde arranjou tanta riqueza. Acho que ganhou de algum mercador, por ser muito honesto…

O ladrão correu para seu chefe e disse:

— Achei o homem! Chama-se Ali Babá! Agora o senhor poderá se vingar.

No dia seguinte, o chefe dos ladrões se disfarçou de mercador, preparou vinte mulas, cada uma carregando dois enormes jarros de barro, e foi bater na casa de Ali Babá.

— Boa tarde, meu bom homem. Sou um mercador de azeite. Acabei de atravessar o deserto. Será que posso descansar um pouco em sua casa com minhas mulas?

— Sim, entre, por favor — disse Ali Babá — Deixe as mulas no pátio para tomarem água.

— Obrigado. Vou descarregá-las para que descansem até amanhã. Tenho de levar todo o azeite que está nestes quarenta jarros até a cidade de Bagdá, que é bem longe daqui.

— Amanhã o senhor pensará nisso. Agora, venha. Quero que tome um banho e jante com minha família, antes de dormir.

Ali Babá pediu para Samira preparar carne com azeitonas e salada com trigo para o visitante. Apresentou-lhe seus quatro filhos e ficaram conversando animadamente.

Na cozinha, Samira percebeu que não tinha mais azeite para temperar a salada.

— Meu filho, venha cá! — chamou a mulher. — Vá comprar azeite.

— Mas, mãe, agora é tarde. Já está tudo fechado

— Por Alá! E o que vou fazer? Com que vou temperar a salada para o mercador?

— Ora, mãe, ele não está carregando azeite naqueles jarros enormes? Pois é muito fácil: desça até o pátio e pegue um pouquinho.

— Bem, não há outro jeito. E o que vou fazer.

Samira desceu até ao pátio de sua casa. As mulas já estavam todas recolhidas ao estábulo. Os quarenta jarros permaneciam no meio da área, iluminados por uma grande lua cheia.

Ao chegar perto de um deles, Samira ficou estupefata. Uma voz, vinda de dentro do jarro, perguntou:

— Já está na hora de matarmos Ali Babá e sua família?

Samira não sabia o que fazer. Se se afastasse bruscamente, poderia levantar suspeitas. Chegou então perto do outro jarro, esperando nova pergunta, mas nada!

Tudo ficou em silêncio. O segundo jarro estava mesmo cheio de azeite. Então, a conclusão de Samira foi rápida: ela sabia que os ladrões de Sésamo eram quarenta. Ora, em trinta e nove daqueles quarenta jarros enormes havia homens escondidos e apenas um deles continha azeite. E o visitante que estava dentro de sua casa era, sem dúvida, o chefe dos ladrões. Ele trouxera azeite num dos jarros porque, se alguém lhe pedisse, ele poderia provar que era um mercador.

Samira saiu de casa na mesma hora e foi chamar os guardas do palácio do sultão, que não ficava muito longe dali.

Depois, voltou depressa para casa, foi à cozinha e preparou um sonífero perfumado, à base de ervas do oásis.

Em seguida, desceu novamente ao pátio e despejou um pouco do sonífero em cada um dos trinta e nove jarros.

Quando terminou, viu que os guardas já haviam chegado. Mandou-os entrar e ficar aguardando do lado de fora da sala, onde Ali Babá conversava com o chefe dos ladrões.

Esperou mais alguns minutos e, ao ter certeza de que todos os ladrões dormiam profundamente dentro dos jarros, entrou na sala e disse:

— Ali Babá ! Tenha cuidado! Este homem é o chefe dos ladrões de Sésamo!

— Mas… mas — balbuciou o marido, incrédulo.

— Sim, sou eu! — disse o ladrão. E, tirando um punhal da cintura acrescentou:

— Agora, vocês vão morrer!

Nesse momento, os guardas entraram na sala, desarmaram e prenderam o homem.

Enquanto descia, já preso, o chefe dos ladrões viu todos os seus companheiros amarrados e amontoados no chão, dormindo.

Ali Babá e Samira foram ao palácio do sultão e contaram toda a história de Sésamo, pedindo a ele que distribuísse aquela riqueza aos pobres da cidade.

O sultão concordou com o casal, mas fez questão de dar a Ali Babá um terço de tudo que havia dentro da pedreira.

Assim, graças à bondade de Ali Babá e à inteligência de Samira, nunca mais houve pobres naquela cidade.

***

Veja aqui a história O Peru e o Galo

Veja aqui mais informações do livro Joãozinho e a Maçã

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique Aqui

Fábula de Monteiro Lobato

Era uma vez um Peru e um Galo que estavam empoleirados na mesma árvore. A Raposa os viu de longe e já começou a lamber os beiços pensando no petisco.

Ao avistá-la o Peru levou um grande susto e por pouco não caiu da árvore. Já o Galo começou a rir. Já que sabia que raposas não sobem em árvores, fechou os olhos e dormiu tranquilo.

O Peru, que era muito medroso, tremia como vara verde e não tirava o olho do inimigo.

A Raposa pensou consigo: “O galo não apanho, mas o Peru já está no papo! ”

Então ela começou a fazer caras medonhas, dar pinotes, roncar, trincar os dentes, dando a impressão de estar louca.

O Peru foi ficando cada vez mais apavorado, encarando a Raposa e seus movimentos. Por fim, de tanto medo e de tanto tremer, ficou tonto e caiu do galho, bem nos dentes da Raposa faminta.

Conselho de vó: O medo em excesso nos deixa cegos ao real perigo que corremos e assim mais vulneráveis aos que nos querem o mal.

***

Veja aqui a história A Raposa e o Tigre

Veja aqui mais informações do livro Joãozinho e a Maçã

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui

Fábula Chinesa

Uma vez, um tigre agarrou uma raposa na floresta e decidiu matá-la para comê-la no almoço. A raposa, muito esperta, disse ao tigre:

– Se eu fosse você, não me comeria. Sou uma enviada do Imperador do Céu para ser o rei dos animais. Ele vai ficar muito desgostoso ao saber que você me matou por causa de uma simples refeição.

O tigre exclamou:

– Ah, é?!

– Se duvida do que estou dizendo, vem atrás de mim, vamos passear na floresta. Vai notar que os animais ficarão aterrorizados ao me verem.

O tigre aceitou a proposta. Os dois foram para a floresta, a raposa na frente, o tigre logo atrás. Em pânico, todos os animais fugiam. O tigre ficou espantado. Ele não percebeu que os animais fugiam dele, e não da raposa.

Achou que ela era realmente uma enviada do Imperador do Céu e a liberou para que fosse embora.

***

Veja aqui a história A Hiena gulosa

Veja aqui mais informações do livro Joãozinho e a Maçã

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui