Adaptação de MFátima Lima

Era uma vez um carpinteiro chamado Lino que toda a vida tinha trabalhado para o rei, assim como seu pai também fizera isso. Desde pequeno aprendeu o ofício e já ajudava seu pai como carpinteiro do reino. Em todas as construções ele estava presente, desde aprendiz até quando, já com mais idade, se tornou chefe de outros trabalhadores.

Entretanto ele já estava cansado, os anos pesavam e o rei havia prometido lhe dar uma aposentadoria quando ele completasse a idade de não poder mais trabalhar. O rei já fizera isso com seu pai, que por sinal, não aproveitou muito porque a saúde já não estava boa. Ele estava ansioso, faltava pouco tempo, mas o rei o procurou e lhe pediu:

– Lino, eu sei que você é o melhor carpinteiro que já tivemos, superou até o seu pai, e, antes de você parar de trabalhar, eu quero que você me construa uma casa com todo capricho que eu sei que você é capaz. Eu quero presentear uma família que me é muito querida.

O homem não gostou muito porque poderia demorar, mas como tinha que obedecer ao rei, resolveu fazer um serviço com pouca qualidade para ser mais rápido. Outra coisa que o incomodava era que o rei queria presentear essa família, mas quem teria que se sacrificar seria ele, o rei iria fazer bonito às suas custas.

E assim foi, onde o trabalho aparecia, ele até caprichou, mas, em detalhes que não eram vistos, fez de qualquer jeito.

Você pode apoiar este site comprando neste loja Parceiro Magalu

Por fim, terminou a casa e, muito cansado e chateado, foi avisar o rei que já poderia chamar a família que seria presenteada. O rei então lhe falou:

– Lino, estou muito agradecido pelos anos em que você serviu ao nosso reino e fico feliz em dar a você e sua família essa casa que você fez, com certeza, com muito capricho e cuidado. Obrigado por tudo e aproveite bem o seu tempo e a sua casa.

A única coisa que passava pela cabeça de Lino era: “Ah, se eu soubesse que era para mim mesmo, teria caprichado em tudo!”

Sabedoria de vó: A vida retorna para nós tudo o que fazemos, pode demorar ou não, mas a colheita do que plantamos, vem! Ah, se vem!!!

***

Clique aqui para ver a história Os viajantes e o urso

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui