Pinóquio

Conto de Carlo Collodi

Era uma vez um homem chamado Gepeto que fazia bonecos de madeira para crianças. Ele vivia sozinho e seu maior sonho era ter um filho para poder dar a ele todo o seu amor e carinho.

Um dia ele fez um lindo boneco, o mais lindo que ele já tinha feito e pensou consigo mesmo: “Quem dera este boneco fosse um menino de verdade e que fosse meu filho!”

A linda Fada Azul ouviu seu pensamento e resolveu usar a sua varinha e dar vida àquele boneco para assim realizar o sonho de Gepeto.

De repente, aconteceu! O pequeno boneco de madeira ganhou vida!

Gepeto gritou de alegria e, entre gargalhadas de felicidade, disse:

– Sejas Bem-vindo, meu filho! Vou chamar-te Pinóquio!!!

No dia seguinte, Gepeto vestiu uma roupa bem bonita em Pinóquio, deu a ele alguns livros e o mandou para a escola falando:

– Meu filho, assim que a aula acabar volte logo para casa, não vá a nenhum outro lugar, nem dê atenção a estranhos!

Pinóquio então disse:

– Sim, papai, voltarei assim que a aula acabar!

No caminho da escola, na praça da cidade, estava acontecendo uma apresentação de marionetes. Pinóquio parou para ver e ficou encantado. Enquanto cantavam Pinóquio dançou e por ter dançado muito bem ganhou cinco moedas.

Pinóquio não via a hora de voltar para casa depois da aula para mostrar o dinheiro para seu pai.

Dois homens viram que Pinóquio tinha ganhado as moedas e resolveram enganá-lo para pegar o dinheiro dele, então se aproximaram e falaram:

– Olá, lindo menino, venha com a gente até a hospedaria, vamos comer alguns doces?

Pinóquio ficou muito feliz com a proposta e não se lembrou dos conselhos de seu pai para não dar atenção a estranhos.

No caminho os homens então falaram para o Pinóquio enterrar as moedas para que lá nascesse uma árvore de dinheiro e assim ele e seu pai ficariam ricos. E assim ele fez.

Na hospedaria ofereceram um suco para Pinóquio, mas o suco era enfeitiçado. Assim que bebeu ele dormiu tranquilamente e sonhou que ele e seu pai eram muito ricos.

Quando ele acordou já havia passado muitas horas e ele viu que os homens haviam levado as suas moedas e que a árvore de dinheiro era uma mentira. Então ele chorou muito porque foi enganado e porque não tinha feito o que seu pai havia pedido, de voltar assim que acabasse a aula.

Sem saber para onde ir ele começou a caminhar e encontrou uma linda senhora vestida de azul a quem pediu ajuda. Ele não sabia que ela era a Fada Azul.

A Fada, que queria testá-lo, perguntou:

– Quem são seus pais e onde você mora?

– Não tenho casa nem ninguém com quem morar. – respondeu Pinóquio.

Assim que Pinóquio mentiu o seu nariz começou a crescer.

A fada Azul então falou:

– Volte para casa, para junto do teu pai. Seja um menino bem comportado e não minta mais!

Assim que ele chegou em casa, seu pai o procurou aflito:

– O que aconteceu Pinóquio?

– A professora passou muitas lições papai, tive que ficar até tarde para aprender tudo!

Assim que ele falou o seu nariz cresceu mais.

No dia seguinte, Pinóquio fingiu que ia a escola, mas na verdade foi ao parque, lá chegando ele encontrou alguns meninos mais velhos que perguntaram se ele queria tomar sorvete. Pinóquio adorou a ideia e seguiu os moleques. O que ele não sabia era que o sorvete era encantado e quem o tomasse seria transformado em um burro.

Pinóquio tomou sorvete até não aguentar mais e se transformou em um burro, que foi vendido para o circo. Ele foi obrigado a trabalhar muito e foi muito maltratado. Ficou tão fraco que nem podia mais trabalhar.  O dono do circo mandou que o jogassem no mar por não servir para mais nada.

Assim que Pinóquio caiu no mar voltou a ser um menino de madeira novamente, uma baleia que por ali passava, pensando que ele era comida o abocanhou. Quando chegou no estômago da baleia ele teve uma grande surpresa, lá encontrou Gepeto que tinha saído pelo mundo para procurar Pinóquio. Ele acabou caindo no mar quando estava em um barco e também foi abocanhado pela baleia.

Na barriga da baleia tinha também um peixe muito grande que tentava a todo custo escapar de dentro dela, os dois então subiram nas costas do peixe e assim que a baleia abriu a boca eles fugiram.

Gepeto e Pinóquio voltaram para casa e desde então ele sempre obedeceu ao seu pai e foi um menino muito bom. Como prêmio por seu comportamento a Fada Azul apareceu novamente e o transformou em um menino de verdade. E assim eles viveram felizes para sempre.

Conselho de vó: Nunca minta para ninguém, principalmente para seus pais e nunca dê atenção a estranhos na rua, nem acredite em suas mentiras.

***

Veja aqui a história do João e o Pé de Feijão

Veja aqui as informações do livro “Joãozinho e a Maçã”