A onça e o bode

Conto de Figueiredo Pimentel

No tempo em que os animais falavam, nesse mesmo tempo chamado do Onça, em que se amarravam os cachorros com linguiça, achava-se uma onça dormindo a sesta, enganchada num galho de árvore, quando exclamou:

– Não acho jeito de dormir neste pau, não consigo dormir. Vou fazer uma casa para morar.

Quando chegou à noite, que é o horário em que está acordada, foi a um lugar da floresta, e depois de procurar bem, disse:

– É aqui mesmo, melhor lugar não poderia encontrar.

Roçou o mato que ali havia e capinou tudo muito bem.

De manhã, o Bode, que também andava com vontade de fazer uma casa para moradia, saiu em busca de um local apropriado e acabou encontrando o roçado que a Onça tinha feito horas antes, e disse:

– Este lugar é perfeito! Parece preparado para fazer uma casinha!

Dizendo isso, pôs-se logo a cortar grossos paus para servirem de esteios à casa, fincou no chão, e foi descansar.

À noite chegou a Onça e, vendo os esteios já fincados, exclamou:

– Com certeza é Deus quem me está ajudando. Ontem, apenas limpei o mato, e hoje já venho encontrar os esteios da casa!

Cortou mais paus, fez a cumeeira, pôs as travessas e retirou-se.

Quando o Bode chegou de manhã e viu aquele progresso na construção, exclamou:

– Decididamente Nosso Senhor Jesus Cristo está me ajudando! Estou encantado com essa graça. Não pode ser outra coisa!

Por isso, pôs as mãos à obra, quanto mais depressa melhor!

Então colocou os caibros na casa, e nesse dia deu por findo o serviço, achando que havia trabalhado muito.

Quando a Onça veio, ainda mais admirada ficou. Pregou as ripas e os enchimentos, e foi-se embora.

O Bode pôs as varas, os portais e as janelas e saiu.

A Onça cobriu a casa de telhas.

O Bode assoalhou, e fez o teto.

Durante o dia, um, à noite outro, trabalharam sucessivamente os dois animais, sem, no entanto, jamais se encontrarem, cada um pensando que era Deus que o protegia.

Ficando pronta a casa, dona Onça fez a cama e deitou-se.

Ainda não tinha ferrado no sono, quando chegou, mais cedo por causa do cansaço, também o Bode, que vendo a Onça, disse:

– Isto não está certo, esta casa é minha. Fui eu que finquei os esteios, pus os caibros, os portais e as janelas.

Depois de muita discussão, a Onça, que já estava com vontade de comer o Bode, mas reconhecendo a sua ajuda, falou:

– Bem, não é preciso fazer questão, vivamos juntos, como bons amigos, um dorme de dia o outro à noite.

O Bode, embora com muito medo, aceitou a proposta da Onça, mas, por precaução, armou a cama longe, perto da janela, para poder escapulir ao primeiro sinal de perigo.

Estavam ainda na casa, quando a onça se virou para ele, e lhe disse:

– Vou dizer-lhe uma coisa, Bode, quando estou zangada, começo a franzir o couro da testa. Tome cuidado!

– E eu, Onça, quando estou com raiva, começo a sacudir as minhas barbinhas, e se der algum espirro, então fuja, porque não estou para brincadeiras – falou o Bode.

O Bode estava com muito medo, mas não deixava transparecer, não seria justo abandonar a sua casa, onde tinha colocado tanto esforço. Decidiu ficar atento.

A Onça estranhou a coragem do Bode, os animais sempre fugiam dela, imaginou que ele estaria aprontando algo contra a sua vida e achou melhor ficar atenta.

O tempo passou e os dois mal se viam, somente ao amanhecer ou ao anoitecer, mas por dentro continuavam um com medo do outro.

Um dia, o Bode estava perto da janela tomando ar fresco, a onça estava cochilando e como estava tendo um mau sonho ficou com o couro da testa todo enrugado, o que nela era sinal raiva.

O Bode, vendo aquilo teve receio. Começou a sacudir as barbinhas e deu um grande espirro.

A onça ouvindo o espirro levou um grande susto, acordou e viu o Bode sacudindo as barbinhas, lembrando-se que era sinal da zanga do Bode, pulou de cima da cama e começou a correr como uma desesperada por este mundo afora.

O Bode, por seu lado, fugiu também, em direção oposta, com medo da Onça.

A casa foi abandonada e nunca mais se viram.

***

Veja aqui a história Os gansos valentes

Veja aqui mais informações do livro Joãozinho e a Maçã

Quer ganhar um e-book de histórias infantis???? Clique aqui