Os dois burrinhos

Fábula de Monteiro Lobato

Certa vez, dois burrinhos seguiam uma tropa. O da frente carregava barras de ouro e atrás, o outro, carregava farelo.

O primeiro não queria que o outro andasse ao seu lado.

– Auto lá – dizia ele – não ande ao meu lado, quem carrega ouro não é do mesmo naipe de quem conduz farelo. Guarde cinco passos de distância e caminhe respeitoso como se fosse um pajem.

O burrinho do farelo se submetia à ordem do outro, quieto, de orelhas murchas.

De repente surgiram ladrões, primeiro examinaram a carga do segundo burrinho, só encontraram farelo e o deixaram de lado.

Ao examinar a carga do primeiro ficaram felizes e começaram a roubar todo o ouro. O burro, inconformado com o roubo resistiu com coices e correu para o mato tentando fugir.

Mas foi em vão, os ladrões o pegaram, surraram, roubaram e foram embora.

Então, o burro surrado, caído no chão pediu ajuda ao burro do farelo:

– Socorro, amigo! Venha me ajudar!

E ele respondeu:

– Agora eu posso me aproximar da Vossa Excelência?

Conselho de vó: Certas pessoas só valem pelo cargo que ocupam, no fundo são só burros de carga.

***

Veja aqui a história O vestido azul

Veja aqui mais informações do livro Joãozinho e a Maçã

Quer ganhar um e-book com histórias infantis? Clique aqui