A história de Benjamin Bunny

História de Beatrix Potter

Era uma vez um pequeno coelho chamado Benjamin Bunny. Ele estava sentado à margem de uma estrada quando ouviu o trotar de cavalos puxando uma carroça. Eram o Sr. McGregor e sua esposa que estavam indo para a cidade e, pelo jeito, iam demorar porque a Sra. McGregor estava usando seu melhor chapéu.

Assim que passaram, o pequeno Benjamin Bunny deslizou para a estrada e saiu, pulando, pulando, para visitar seus parentes que viviam na floresta nos fundos do jardim do Sr. McGregor.

Essa floresta estava cheia de buracos de coelho, e no buraco mais arenoso de todos, vivia a tia de Benjamin e seus primos: Flopsy, Mopsy, Cotton-tail e Peter. A velha Sra. Coelho era viúva e ganhava a vida tricotando luvas. Ela também vendia ervas, chá de alecrim e tabaco de coelho (que é o que chamamos de lavanda).

O pequeno Benjamin não queria muito ver sua tia. Ele contornou o pinheiro procurando o seu primo Peter.

Peter estava sentado sozinho e parecia muito triste, estava malvestido porque depois de sua aventura no quintal do Sr. McGregor havia perdido a sua melhor roupa.

– Peter, o que aconteceu com suas roupas? – falou Benjamin Bunny.

–  Estão no espantalho do jardim do Sr. McGregor – falou tristonho.

Ele contou para seu primo como foi perseguido pelo jardim e acabou perdendo os seus sapatos e seu casaco.

Benjamin sentou-se ao lado do primo e garantiu-lhe que o Sr. McGregor tinha saído para a cidade e a Sra. McGregor também, e iam demorar muito.

Decidiram ir ao jardim do Sr. McGregor para tentar recuperar as roupas de Peter.

Eles foram embora de mãos dadas e alcançaram o topo do pé de peras, de lá puderam ver o jardim e no espantalho as roupas do coelhinho.

Eles escorregaram pela pereira e Benjamin falou:

– A primeira coisa que temos que fazer é recuperar as suas roupas.

Eles então tiraram as roupas do espantalho. Como havia chovido na noite anterior tinha água nos sapatos e o casaco estava meio encolhido.

Em seguida, Benjamin Bunny sugeriu que enchessem os bolsos com cebolas, como presentinho para a tia. Peter não estava se divertindo, depois da sua última aventura, ele estava com medo do que poderia acontecer e, além disso, ele estava ouvindo barulhos estranhos.

Benjamin, ao contrário, estava perfeitamente à vontade e comeu uma folha de alface.

Peter não comeu nada, ele queria voltar para a sua casa.

Eles tentaram subir na pereira, mas estava difícil, já que estavam com os bolsos cheios de cebolas. Resolveram achar um caminho do outro lado do jardim quando viram uma família de ratos comendo cerejas.

Eles estavam entre vasos de flores, quando Peter ouviu barulhos piores do que nunca, seus olhos se arregalaram como pirulito, ele estava a dois passos à frente de seu primo quando de repente parou.

O gato estava vindo e eles correram se esconder embaixo de um cesto que estava virado com a boca para baixo, resolveram ficar ali até que o gato fosse embora.

O gato se espreguiçou e foi cheirar a cesta. Talvez ele gostasse do cheiro de cebola, porque subiu, sentou-se, se deitou em cima da cesta e lá dormiu por cinco horas.

Os dois ficaram desesperados, não podiam sair e, lá dentro, o cheiro de cebola era tão forte que eles choravam.

O sol se pôs atrás da floresta e já era bem tarde, mas o gato continuava sentado na cesta.

Por fim, o gato ouviu um barulho e alguns pedaços de argamassa do muro caíram da parede. O gato ergueu os olhos e viu o velho Sr. Bunny saltitando no alto do muro. Ele estava fumando um cachimbo de tabaco de coelho e procurava por seu filho.

O velho Sr. Bunny não tinha medo algum de gatos. Ele deu um salto do topo do muro bem na cabeça do bichano que saiu correndo para dentro da estufa. 

Então o velho Sr. Bunny trancou a porta da estufa com o gato lá dentro. Ele voltou ao cesto, tirou seu filho Benjamin e seu sobrinho Peter e foram embora.

Quando o Sr. McGregor voltou, cerca de meia hora depois, ele observou várias coisas que o deixaram perplexo. Parecia que alguém tinha andado por todo o jardim.  Além disso, ele não conseguia entender como o gato conseguiu se trancar dentro da estufa, sendo que a tranca ficava do lado de fora.

Quando Peter voltou para casa, sua mãe o perdoou porque ela ficou muito feliz ao ver que ele havia encontrado seus sapatos e o casaco. Peter deu à velha Sra. Coelho todas as cebolas, que ela amarrou e pendurou no teto da cozinha.

***

Clique aqui para ler a história Margarida, a espertalhona