O caçador de Matintas

Folclore Brasileiro

A Matinta Perera é uma velha feiticeira que à noite se transforma em coruja e sai para atormentar e trazer mau agouro para as pessoas.

Florêncio era um homem que não tinha medo das Matintas, tinha muita curiosidade e seu desejo era um dia caçar uma delas.

Porém, sempre lhe diziam que caçar uma Matinta era muito difícil, porque a bruxa conseguia se transformar em qualquer outro animal no momento da fuga, ficando mais difícil encontrá-la.

Por causa da sua obsessão e de tanto perguntar às pessoas do vilarejo como poderia caçar uma Matinta, acabou ganhando o apelido de caçador de Matintas.

Um dia, foi à casa de sua mãe, uma senhora de idade avançada e frequentadora assíduas das missas e de todas as rezas na igreja, para perguntar sobre como poderia pegar uma Matinta. A senhora achou aquilo uma bobagem, além de não dar nenhuma informação nova, ainda recomendou que ele fosse à igreja rezar que ganhava mais.

Um dia ele conheceu um senhor que estava de passagem pelo vilarejo e que lhe contou que a Matinta gostava muito de pitar. Um jeito de descobrir a sua forma humana seria ir para a floresta à noite, assim que ela cantasse, ele deveria gritar para ela que o visitasse no dia seguinte que ele lhe daria muito fumo.

Florêncio ficou entusiasmado com a descoberta e resolveu colocar o plano em prática na mesma noite.

Ele foi a floresta e ficou quietinho esperando a Matinta cantar. Assim que ouviu o primeiro pio ele gritou:

– Matinta Perera, vai buscar fumo lá em casa amanhã!

Imediatamente o assobio da coruja cessou e ele ouviu o barulho de asas.

Florêncio soube que a Matinta o havia escutado e correu de volta à sua casa para esperá-la.

Certo de que iria desmascarar a Matinta, ele convidou alguns moradores para a sua casa e juntos ficaram esperando o dia clarear.

Ele nem dormiu nessa noite pensando nos elogios que receberia dos moradores da vila por ter desmascarado a velha bruxa e ficou imaginando que ela seria uma velha muito feia, cheia de rugas e verrugas.

Quando amanheceu e todos estavam impacientes ele pediu silencio e começou a ouvir passos de alguém se aproximando de sua casa.

Lá fora ele ouviu a voz de uma mulher chorando:

– Vim buscar meu fumo!

Ao abrir a porta eufórico com a descoberta iminente, quase perdeu o fôlego ao encontrar do lado de fora, a sua mãe.

***

Clique aqui para ler a história Baba Yaga e Vasilissa