O banco proibido

Adaptação de MFátima Lima

Era uma vez, um menino chamado Ivan, ele era filho da camareira da rainha. Eles moravam numa casinha simples, mas confortável nos arredores do palácio. De manhã bem cedinho sua mãe ia para o trabalho e levava o pequeno com ela. Para que ele não atrapalhasse, ela o deixava junto com seu irmão, tio do menino, que cuidava dos cavalos do reino. A ideia era que o garoto fosse aprendendo o ofício para um dia trabalhar lá também.

O problema era que Ivan era muito perguntador. Ele queria saber o porquê de tudo.

– Por que os cavalos têm cores diferentes?

– Por que o sol não aparece à noite?

– Por que tenho que tomar banho?

– Por que tenho que comer o que não gosto?

– Por que tem um guarda que não deixa ninguém se sentar no banco do jardim?

Todas as perguntas eram respondidas com paciência pelo tio, mas essa última era uma incógnita para ele também. Desde seus tempos de menino, havia um banco no grande jardim do palácio com um aviso de “Proibido Sentar” e ao lado, sempre um guarda para garantir o cumprimento da lei. Desde muito tempo já existia esse banco proibido.

Um dia em que o menino entrou no palácio junto com a mãe, não perdeu a oportunidade. Apesar de todos os avisos para não se aproximar da rainha, ele furou o bloqueio e perguntou:

– Majestade, por que tem um banco no jardim em que ninguém pode se sentar?

A mãe do Ivan correu e o pegou pelas orelhas por ter desobedecido. Depois foi pedir perdão para a rainha pelo atrevimento do filho. A rainha não se incomodou, mas ficou curiosa.

– Que história é essa de um banco proibido no meu palácio?

Explicaram para ela que era uma ordem do rei seu pai que já havia falecido. Ninguém, nem mesmo a princesa, agora rainha, poderia se sentar no banco. Era lei.

Aquilo era muito estranho e a rainha procurou saber mais sobre o assunto. Ninguém sabia responder, era coisa muito antiga. Ela ordenou então que se fizesse uma pesquisa nos documentos com as leis do reino.

Depois de muito trabalho, a resposta apareceu: houve uma festa no palácio para comemorar o aniversário de 5 anos da princesa. Como havia muitos preparativos, várias coisas foram terminadas no mesmo dia da festa. O banco em questão fora pintado e ainda estava com a tinta fresca. Para que algum convidado não sujasse sua roupa com a tinta, o rei ordenou que se colocasse um aviso e que um guarda ficasse ao lado para proibir que alguém se sentasse. O rei não se lembrou mais do assunto essa lei não foi cancelada.

A rainha então mandou chamar Ivan e decidiu que ele iria estudar porque era um menino muito inteligente e poderia ser muito útil no palácio. Então, um futuro cuidador de cavalos se transformou, quando adulto, em responsável pelas contas do reino.

Conselho de vó: A curiosidade bem direcionada pode te levar longe!

***

Veja aqui a história A Morte e o Lenhador

Veja aqui mais informações do livro Joãozinho e a Maçã

Quer ganhar um e-book de histórias infantis? Clique aqui